quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Tenho tanta alma em mim - Enide Santos & Flauta de Pan- Un viaje por el mar

Tenho tanta alma em mim



Tenho muita alma dentro de mim
Ás vezes é preciso derrama-la um pouco.
fazê-la virar pó, poeira de poesia
e de soslaio obsevo um vento se aproximar
como um roda moinho
que gira sem saber onde tudo vai dar.

Tenho muita alma dentro de mim
Ás vezes fica presa em meu olhar
nadando de um lado para o outro
como se fosse o mar
que luta contra o vento
sempre tentando o esvaziar.

Tenho muita alma dentro de mim
E sei que sempre haverá
são como águas infinitamente vivas
que nunca desistem
de encontrarem seu lugar
tem muita alma dentro de mim
e sei que sempre existirá.

Enide Santos 23/05/13
Flauta de Pan
Un Viaje Por El Mar

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Importância & Esse Cara sou Eu Roberto Carlos

Importância

 


O importante não foi o dia que te conheci,
 mas o dia que aprendi a compartilhar com você
 minhas alegrias e tristezas. 
 Quando descobri que nascia em mim o sentimento da amizade.
 Pude perceber que nascia entre nós um sonho de uma bela amizade.
 A palavra é complicada, mas quem sabe seu significado
 é só quem tem a capacidade de poder apreciar seus defeitos e qualidades.
 A amizade quando verdadeira é um sentimento eterno que não tem fim.
 A minha amizade por você é tão especial que não saberei explicar em meras palavras. Sempre sinto vontade de dizer o quanto é importante contar com amigos como você.
 Hoje você já faz parte da minha vida,
 agradeço a Deus por ter te encontrado e descoberto com você a verdadeira amizade.
 Só te digo uma coisa que minha amizade teve: 
 Um início, meio. E nunca terá fim.




Esse Cara sou Eu
Roberto Carlos

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Querer e querer -Enide Santos & Oh Happy Day! (Full version) - Choeur Gospel Célébration de Québec





Queria tanto guardar em mim
a sensação de cada toque
não permitir que se perca
nem a mínima das sensações

Guardar cada lembrança
cada vez que te vi, que te olhei
cada vez que meus olhos
alcançaram você

Esperava realmente ser eu, dona
proprietária de meus sentires
para apoderar-me deles
quando bem me conviesse

Desejava guardar
cada som que soa de você
cada gesto que te faz viver
não seria preciso me esconder
por trás de ilusões
e de você minha eternidade fazer

Mas estou subordinada a obedecer
uma exigência do meu ser
Buscar entender
o que não é para se entender
E querer guardar
o que não se guarda.

Enide Santos 02/08/13

                                                  Oh Happy Day! (Full version) - Choeur Gospel Célébration de Québec


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Ternura - Vinicius de Moraes &Pamela , um verso de amor

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente 
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos 
Das horas que passei à sombra dos teus gestos 
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos 
Das noites que vivi acalentado 
Pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo 
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente 

E posso te dizer que o grande afeto que te deixo 
Não trai o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas 
Nem as misteriosas palavras dos véus da alma... 
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias 
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta 
E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o 
[olhar extático da aurora. 

Vinicius de Moraes, in 'Antologia Poética'

                        Pamela , um verso de amor


quarta-feira, 10 de julho de 2013

Em silêncio meus pensamentos te buscam & Barbra Streisand - Moon River




                                    Em silêncio 

                      meus pensamentos te buscam


 



Em silêncio
Meus pensamentos te buscam
O tempo se congela
E canções alimentam a alma.
A saudade
Torna-se dona de mim.
As estrelas me enfeitiçam
Como o encanto de seu olhar.
Tento ser forte
Suportando a saudade
E segurando as lágrimas,
Mas é inútil
Pois a noite é amiga da saudade
E unidas elas me vencem
E me faz render-se.
A saudade me prende
E as lágrimas me desobedecem,
Nada me faz esquecer
Nem passa-tempos me distraem
Cada gesto,
Cada olhar,
Está você...
Minha alma parece estar unida a sua
Pois já busquei mil maneiras
De lidar com a saudade
Mas ela sempre me vence...
É mais forte que meus instintos
É maior que meus limites
É uma
Incombatível Saudade.



                        Barbra Streisand - Moon River


segunda-feira, 1 de julho de 2013

Gestos que salvam vidas -Rivalcir Liberato & Roberto Carlos- Passaro Ferido

Gestos que salvam vidas  

A chuva caía fina e gélida na tarde quieta. Longe, na estrada, um carro parou. Era pequeno e meio velho. 

Um rapaz saltou, levantou o capô e se pôs a mexer em tudo que viu. 

O fazendeiro, de onde estava, pensou:
- Coitado. Pelo jeito, não entende de mecânica. 
Vestiu sua capa de chuva e caminhou até a estrada. O jovem estava muito nervoso, mexia no carro, voltava, tentava dar a partida, passava as mãos pelos cabelos.
- Quer ajuda?

O rapaz parecia preste a chorar.
- É a bobina. - diagnosticou o fazendeiro, depois de uma boa olhada. 
Buscou seu cavalo, rebocou o carro até o seu celeiro e com seu próprio carro, foi à cidade comprar uma bobina nova.

Estranhou que, ao chegar à loja, o rapaz não quisesse entrar. 
Deu-lhe o dinheiro necessário e disse que tinha vergonha, por estar molhado.

Algum tempo depois com o carro funcionando, pronto para partir, a esposa do fazendeiro insiste para que fique para o jantar. 
Não era hábito convidar estranhos para adentrar a casa. Contudo, aquele rapaz parecia aflito, meio perdido. Poderia, talvez ser seu filho.

Ele quase não comeu. Continuava preocupado, ansioso. A chuva se fez mais forte. O casal preparou o quarto de hóspedes e pediu que ficasse. 
Na manhã seguinte, suas roupas estavam secas e passadas. Ele se mostrava menos inquieto. Alimentou-se bem e despediu-se. 
Quando pegou a estrada, aconteceu uma coisa estranha. Ele tomou a direção oposta da que seguia na noite anterior. Isto é, voltou para a capital.

O casal concluiu que ele se confundira na estrada. 
O tempo passou. Os dias se transformaram em semanas, meses e anos. Então, chegou uma carta endereçada ao fazendeiro:

"Sr. Mcdonald,
Não imagino que o senhor se lembre do jovem a quem ajudou, anos atrás, quando o carro dele quebrou.
Imagine que, naquela noite, eu estava fugindo. Eu tinha no carro uma grande soma de dinheiro que roubara de meu patrão.
Sabia que tinha cometido um erro terrível, esquecendo os bons ensinamentos de meus pais.

Mas o senhor e sua mulher foram muito bons para mim. Naquela noite, em sua casa, comecei a ver como estava errado.
Antes de amanhecer, tomei uma decisão. No dia seguinte, voltei ao meu emprego e confessei o que fizera.
Devolvi todo o dinheiro ao meu patrão e lhe implorei perdão.
Ele podia ter me mandado para a prisão. Mas, por ser um homem bom, me devolveu o emprego. Nunca mais me desviei do bom caminho.

Estou casado. Tenho uma esposa adorável e duas lindas crianças.
Trabalhei bastante.
Não sou rico, mas estou numa boa situação.
Poderia lhe recompensar generosamente pelo que o senhor fez por mim naquela noite, mas não acredito que o senhor queira isso.
Então resolvi criar um fundo para ajudar outras pessoas que cometeram o mesmo erro que eu. Desta forma, acredito poder pagar pelo meu erro.
Que Deus o abençoe, senhor, e a sua bondosa esposa, que me ajudou ainda mais do que o senhor sabia."

Enquanto o casal lia, os olhos se encheram de lágrimas. Quando acabaram, a esposa colocou a carta sobre a mesa e citou versículos do capítulo 25 do Evangelho de Mateus:
- Era peregrino, e me recolheste. Tive fome e me destes de comer. Tive sede e me destes de beber. Estava nu, e me vestistes. Estava enfermo e me visitastes. Estava no cárcere e me fostes ver. Em verdade, todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes.

                                        Roberto Carlos -  Passaro Ferido

sexta-feira, 21 de junho de 2013

ESCREVO CARTAS E FLORES Edna Fialho - Meu mel - Leonardo

                          ESCREVO CARTAS E FLORES

Edna Fialho


Escrevo cartas e flores,
Amores que no coração florescem em gerânios,
Amanheceres, sóis e luas em Sacro Sermão.
Escrevo revoadas de colibris com suas asas aladas
Rebento do vento na gestação de “mim”!
Sou o tesouro sem ouro, banhado no orvalho,
O floema a se aleitar no Universo em versos,
No dedilhar de harpas encantadas de Arcanjos
Fome de vociferar desafios, afetos.
Escrevo cartas e flores e aos borbotões me mostro
Decantando páginas de ilustres ilustrações
E decoro textos cibernéticos.
Escrevo dor, lágrimas, coragem,
Desencanto e magia camuflada em luas,
Escrevo de trás pra frente meus desafetos
Grafito no breu... Pertencimentos.


Edna Fialho

                                            Meu mel - Leonardo